terça-feira, 13 de agosto de 2019

Matemática: 10 conteúdos mais cobrados na prova do Enem


Entre as disciplinas mais temidas pelos estudantes, a matemática, acreditem, precisa de muita interpretação de texto na prova do Enem e os conteúdos são cobrados de maneira contextualizada.
—A dica para um bom desempenho na prova é revisar os principais temas, resolvendo exercícios contextualizados, dando uma atenção especial àqueles que envolvem leitura e interpretação de gráficos. A prova do Enem exige do candidato muita leitura, além da execução de muitos cálculos.

1. Razão e proporção
A prova do Enem costuma apresentar mais de uma questão sobre esse conteúdo, sempre de forma contextualizada. Em 2017, por exemplo, 7 questões abordaram a ideia de razão e proporção entre grandezas. Se o aluno não se lembra desse tópico, ele nada mais é que a divisão entre as duas grandezas. Mas o Enem não para por aí, geralmente os exercícios pedem para o aluno determinar a razão e comparar o resultado obtido.
2. Regra de três
Esse é um dos tópicos mais famosos da Matemática e que serve de recurso para a resolução de exercícios em outras disciplinas. Não é possível mandar bem nesse caderno dominando apenas os conhecimentos de regra de três. Porém, eles serão necessários e ajudarão o aluno somar pontos preciosos ao final da nota. Ao revisar essa matéria, o aluno vai notar como se faz relação entre grandezas proporcionais.

3. Leitura e interpretação de gráficos
Muitas questões apresentam gráficos que retratam uma situação explorada no enunciado. Então, para resolver o problema, é preciso que o aluno compreenda tanto o enunciado, quanto o gráfico. Os gráficos que mais aparecem são os de barras, de setor e de segmento. Pode acontecer, por exemplo, de o exercício ser sobre porcentagem e exigir do candidato a compreensão dos dados em um gráfico. Além disso, essa habilidade vai ser exigida em outras disciplinas como geografia, biologia etc. Se o aluno nunca interpretou um gráfico antes, algumas dicas: preste muita atenção no título; veja quais informações dizem respeito a cada eixo; procure os dados apresentados no enunciado (e seus possíveis desdobramentos); e verifique a escala.

4. Estatística
O foco do estudo deve ser em questões que abordam média aritmética, mediana e moda. Na maioria das vezes, esse assunto vem acompanhado de gráficos, então, mais uma vez, é importante que o aluno não deixe de resolver questões que envolvam a leitura e interpretação de gráficos.

5. Porcentagem
A porcentagem também é um tema bastante recorrente no Enem, principalmente porque não precisa ser apresentado de forma isolada nas questões. É bastante comum, por exemplo, aparecer exercícios relacionados a preços, taxas, indicadores de população, economia, entre outros e exigir cálculo de porcentagens. Dica: o aluno deve lembrar que o cálculo da porcentagem é sempre feito sob um determinado valor. Por isso, fique muito atento ao enunciado para descobrir o valor sob o qual deve-se calcular a porcentagem.

6. Funções
É um tema bem abrangente para ser estudado. O ideal é que o aluno foque em três temas: teoria das funções – aqueles probleminhas em que é preciso substituir valores, como por exemplo a corrida de um táxi ou o aluguel de um carro em uma locadora; funções do 1o grau – não se pode deixar de estudar o comportamento do gráfico de uma função do 1o grau; função do 2o grau – principalmente exercícios que envolvam a ideia de máximo e mínimo.

7. Análise Combinatória
Essa área da matemática é responsável por determinar possibilidades. O aluno pode se deparar com questões desse tema de maneira contextualizada nos mais diferentes assuntos, como formação de times, resultados e colocação em pódios, entre outros. É importante ficar bem clara a distinção entre permutação, arranjo e combinação.

8. Probabilidade
Esse assunto gera insegurança na maioria dos alunos, principalmente se acompanhado da análise combinatória. Para evitar isso, o estudante precisa praticar – e muito – exercícios que envolvem esse assunto.

9. Geometria plana
A Geometria Plana também se faz presente no Enem, principalmente quando falamos sobre áreas de triângulos, círculos, quadrados, trapézios, entre outros. Os problemas que envolvem esse tema, de forma geral, são contextualizados. É preciso analisar o enunciado completo para resolver a questão.

10. Geometria espacial
Quando falamos de Geometria Espacial, grande parte das perguntas da prova pede para determinar o volume de prismas, pirâmides, cones, esferas e cilindros. É bastante comum os termos “volume” e “capacidade” serem apresentados como sinônimos no caderno de Matemática e suas Tecnologias.

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

ENEN 2019: Inep divulga perfil de candidatos; presença feminina é maioria


O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou o perfil dos candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, que será realizado em novembro. A presença feminina é maior, com 3.031.828 de mulheres inscritas — 59,5% do total.
A maioria dos candidatos (1.360.421) tem entre 21 e 30 anos. Apesar de o Enem ser um exame destinado a quem terminou ou vai concluir o ensino médio neste ano, chama a atenção a procura de pessoas com mais de 60 anos — quase dez mil inscritos (9.846).
Por meio do Enem, estudantes terão a oportunidade de ingressar no ensino superior de instituições públicas e privadas do Brasil e de Portugal, onde 37 universidades já aceitam os resultados do exame como forma de acesso aos cursos. Mais de 500 mil pessoas estão envolvidas na elaboração e na aplicação do exame, a maior porta de entrada para a educação superior do país.
O Inep aplicará as provas nos dias 3 e 10 de novembro, primeiro e segundo domingo do mês. A edição deste ano tem 5.095.382 inscritos. O número ainda pode subir porque algumas inscrições encontram-se em análise de recurso.
Perfil - Um contingente significativo de participantes faz as provas como treineiros: 616.673, que equivale a 12,1% dos inscritos. São os estudantes que não irão concluir o ensino médio em 2019, mas que fazem o Enem para experimentar a rotina de candidato, conhecer o formato do conteúdo cobrado no exame e para autoavaliar os conhecimentos.
Gratuidade - Do total de participantes, 2.980.502 (58,5%) não precisaram pagar a taxa de inscrição, que neste ano foi de R$ 85. A gratuidade é concedida a três perfis de participantes que precisam comprovar os critérios exigidos no edital. São eles:
  • o candidato que está na última série do ensino médio em escola da rede pública declarada ao Censo Escolar;
  • o estudante que cursou todo o ensino médio na rede pública ou como bolsista integral na rede privada e tem renda familiar igual ou menor a um salário mínimo e meio por pessoa;
  • a pessoa em situação de vulnerabilidade socioeconômica por ser membro de família de baixa renda que tenha Número de Identificação Social (NIS), único e válido, além de ter renda familiar por pessoa de até meio salário mínimo ou renda familiar mensal de até três salários mínimos. 
Quem ficou isento no ano passado, mas faltou nos dias de prova de 2018, precisou justificar a ausência para poder fazer o mesmo pedido em 2019.

Assessoria de Comunicação Social, com informações do Inep

segunda-feira, 29 de julho de 2019

DROGAS: Polícia Federal erradica 348 mil pés de maconha no Sertão



348 mil pés de maconha foram destruídos pela Polícia Federal em municípios do Sertão de Pernambuco. A queima da droga foi realizada durante a operação Facheiro III, que tem o objetivo de reduzir a produção e a oferta da maconha. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (29).
De acordo com a PF, as plantações que poderiam produzir, ao todo, 120 toneladas de maconha, foram encontradas entre 30 de junho e 23 de julho deste ano. Além dos 348 mil pés de maconha, também foram destruídos 144 plantios e 425 mil mudas da planta.
As drogas foram encontradas, após um levantamento da PF, em algumas ilhas dos Rios São Francisco, em Orocó, Cabrobó, Belém de São Francisco, Santa Maria da Boa Vista, além de Salgueiro, Carnaubeira da Penha, Serra Talhada, Betânia, Parnamirim, Ibó e Floresta.

A PF também informou que as operações de erradicação de maconha em Pernambuco têm tirado o tempo de produção da droga, o que tem levado a importação da maconha para o Paraguai. A mudança tem sido mostrada pelo aumento de apreensões feitas pela polícia no país vizinho. (JC online)


sexta-feira, 26 de julho de 2019

DROGAS: Idosa é presa com mais de 8 quilos de cocaína no aeroporto de Guarulhos


Uma idosa de 73 anos foi presa nesta sexta-feira (26) no Aeroporto de Guarulhos, na grande São Paulo, tentando embarcar para a África com mais de 8 quilos de cocaína. Ela estava acompanhada por uma outra mulher, que também foi presa. A Polícia Federal não informou a identidade delas, mas informou que ambas são brasileiras.

ENEM 2019: INSCRIÇÕES PARA QUEM DESEJA TRABALHAR PODEM SER FEITAS ATÉ DIA 29


Para quem desejar trabalhar no ENEM, exame nacional do ensino médio, poderá se inscrever até dia 29 de julho. Qualquer servidor público da rede estadual ou municipal pode ser um participante e os inscritos convocados serão chamados para uma capacitação à distância.
O prazo inicial antes da prorrogação era para o dia 22 de julho. O resultado dos canditados escolhidos para a aplicação do Enem sairá no dia 6 de agosto  

Por que trabalhar no ENEM?


O valor dado para quem deseja trabalhar no ENEM é de R$28,90 por hora, totalizando 342 reais por dia, somatizando as horas de prova. O Enem será aplicado em dois dias sendo eles 3 e 10 de novembro. Os candidatos deverão se encaixar em alguns pré requisitos:

  • Ser servidor público, em exercício em 2019, do Poder Executivo Federal regido pela Lei nº 8.112 ou docente da rede estadual ou municipal de ensino efetivo e registrado no Censo Escolar 2018;
  • Ter formação mínima em Ensino Médio;
  • Não estar inscrito como participante do Enem 2019;
  • Não ter cônjuges/companheiros ou parentes – em linha reta, colateral ou por afinidade de até terceiro grau – inscritos no Enem 2019;
  • Não ter vínculo com as atividades do processo logístico de elaboração, impressão, distribuição e aplicação ou de observação da aplicação do Enem e nem com o processo de correção da redação.  

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Como estudar faltando poucos dias para o Enem



Agora falta pouco. Em pouco menos de um mês, mais de 5 milhões de estudantes farão o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018. Desde que passou a ser usado como critério de seleção de diversas universidades públicas e privadas, além de ser requisito para programas como o Sisu, o Prouni e o Fies, a prova se tornou o maior vestibular do país.
Com toda a sua relevância, o Enem não é uma prova fácil. Com seus dois dias de provas, 180 questões, e ainda uma redação, o exame é quase uma maratona. Mas não há motivos para se desesperar. Para ajudar você a enfrentar da melhor forma essa prova, separamos algumas dicas de como se preparar para o exame. Confira as nossas dicas e boa sorte!

O estudo na reta final

O mais importante é saber organizar o seu tempo. Se até o Enem teremos quatro semanas, é importante programar os estudos e definir quais matérias vão ser estudadas em cada dia. Não adianta desperdiçar tempo e esforços com aqueles tópicos nos quais sempre teve dificuldades, assim como também não dá para focar só no que já domina. Qual é a solução, então? Não há segredo: treinar. Nas próximas semanas, invista o máximo em dominar a prova e o que ela espera de você. Veja abaixo o passo a passo:
 Resolva provas anteriores: Aproveite as últimas semanas para refazer o máximo de provas antigas possível. “Como o Enem apresenta uma matriz específica de competências e habilidades à qual os conteúdos estão relacionados, as provas de cada ano têm um modelo bastante parecido e os conteúdos mais cobrados sempre se repetem”, explica a professora Ana Paula Dibbern, do cursinho Maximize.
 Além disso, é a oportunidade de ver se, resolvendo os exercícios, você acaba percebendo algum tema que ainda precisa ser revisado uma última vez, ou algum tópico que precisa ser mais exercitado.
Escreva uma redação por semana: Ao pegar as provas anteriores, separe as propostas de redação e reserve um tempo para fazer pelo menos uma por semana. “É importante que a sua redação seja lida por alguém, de preferência um professor que possa avaliar os critérios cobrados pelo Enem para a redação”, avalia a professora. Procure sempre ficar atento às cinco competências exigidas pelos corretores, especialmente a proposta de intervenção, que pode ser uma pegadinha para os mais desavisados.
Elabore uma estratégia para a prova: O segredo é entender como funciona a Teoria de Resposta ao Item (TRI), método usado na correção do Enem. Por este método, fica muito mais difícil chutar, já que ele avalia a coerência da prova: se uma pessoa acerta muitas questões consideradas difíceis e poucas fáceis, o sistema aponta que há ali um problema (afinal, quem acerta as difíceis também acertaria as fáceis) e tira pontos do candidato. Portanto, vale mais a pena dedicar-se a responder primeiro as questões fáceis, depois as médias e depois as difíceis. Vale a pena fazer uma leitura geral da prova, antes de começar, para avaliar quais dá para responder na hora e quais devem ser deixadas para depois.
Outra boa escolha para a prova é checar o peso dado para cada área na nota da universidade no Sisu ou no ProUni. “Há opções de curso em que a redação tem peso 3, por exemplo. Assim, você pode avaliar por qual área começar no grande dia”, explica Ana Paula Dibbern.
Como sempre, um dos focos principais é a redação, já que uma boa nota nesta área pode puxar toda a sua média para cima. “Reserve tempo suficiente e com certa folga para fazer o seu texto. Uma boa opção é rascunhar a redação no início, resolver as questões de uma das áreas, ou mesmo das duas, e então voltar ao texto. Se você começar a prova um pouco nervoso, talvez seja melhor fazer parte das questões e depois, mais calmo, fazer a redação. Teste essas opções ao fazer o simulado com a prova anterior em casa”, diz a professora.

Observe suas fraquezas: Como falamos antes, durante a resolução das provas antigas, você pode acabar se deparando com um conteúdo ou outro que não esteja tão bem assimilado, além de checar como ele está sendo cobrado pela prova. Essa é a melhor oportunidade para observar suas fraquezas na prova, aquelas matérias com que você não se deu tão bem durante o estudo. Mas lembre-se: não dá mais tempo de assimilar profundamente algo novo. Se não aprendeu nada durante o ano sobre aquilo, dificilmente vai adiantar, agora, se debruçar sobre o assunto. Procure focar os esforços em matérias pouco solidificadas, mas já apreendidas, e em outras que estão precisando de uns exercícios a mais.
Os conteúdos que mais caem


Área O que mais cai
Ciências Humanas e suas Tecnologias – Democracia e Estado (movimentos sociais e poderes)
– Identidade nacional (cultura e patrimônio)
– América colonial
– Independência do Brasil
– Século XX no Brasil (Ditadura e Era Vargas)
– População, economia e transportes no Brasil
– Urbanização e estrutura agrária
– Problemas ambientais, climas e biomas
Ciências da Natureza e suas Tecnologias – Ecologia e problemas ambientais
– Química orgânica
– Genética e evolução
– Dinâmica, ondas e eletricidade
– Citologia, anatomia e fisiologia
– Cálculos químicos
– Materiais e ligações químicas
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias – Interpretação de textos
– Literatura (Modernismo, Romantismo e Realismo)
– Tecnologias da informação
– Diversidade e preconceito linguístico
Matemática e suas Tecnologias – Razão, proporção e regra de três
– Geometria
– Estatística e probabilidade
– Aritmética básica
– Equações do primeiro grau e funções

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

PARIS: Respirar é como fumar 9 maços de cigarro ao ano



O jornal "Aujourd'hui en France" desta sexta-feira (10) publicou um estudo alarmante sobre a poluição nas regiões metropolitanas na Europa. "Respirar é como fumar" é a manchete da matéria que detalha um estudo realizado pela associação europeia deTransporte e Meio Ambiente, que calculou em cigarros a contaminação de partículas finas em dez grandes cidades da Europa, como Paris.

"Não é preciso mais estar ao lado de um fumante para ser vítima do tabagismo passivo", diz a matéria do "Aujourd'hui en France". A poluição do ar é tão intensa nas capitais europeias que basta passar alguns dias passeando pelo Velho Continente para respirar equivalentes tóxicos presentes nos cigarros.

O método é extraído de uma técnica do instituto americano Berkeley Earth, segundo o qual, respirar 22 microgramas/m3 de partículas finas tem o mesmo efeito para a saúde do que fumar um cigarro. Assim, morar, por exemplo, em Paris durante um ano e ser exposto ao ar da capital francesa neste período, equivale a fumar 183 cigarros, ou nove maços de cigarro, alerta o jornal.

Turistas também se tornam "fumantes passivos"

Paris não é a capital onde o ar é mais poluído na Europa. Entre as dez cidades analisadas pelo estudo, Praga, capital da República Tcheca, e Istambul, na Turquia, são as campeãs de acúmulo de partículas finas no ar, seguidas por Milão, na Itália, e Londres, capital do Reino Unido. Visitar esses locais, mesmo por poucos dias, também tem um impacto em sua saúde.

Os pesquisadores calcularam em cigarros o volume de ar poluído que um turista estaria exposto passando, por exemplo, quatro dias em Paris. Resultado: dois cigarros. No mesmo período, a contaminação de partículas finas é equivalente a quase três cigarros em Londres e três em Milão, quatro em Praga e Istambul.

"É como se obrigássemos os turistas a fumarem, inclusive as crianças", diz, em entrevista ao Aujourd'hui en France o coordenador das pesquisas sobre qualidade do ar da associação europeia Transporte e Meio Ambiente, Jens Muller.

Queda no número de visitantes

A poluição é uma das principais preocupações dos cidadãos europeus, de acordo com uma pesquisa realizada pela Comissão Europeia. A questão começa também preocupar os turistas, que estão deixando de escolher alguns destinos para poupar sua saúde. As cidades de Pequim, na China, e Hong Kong, por exemplo, já lidam a queda de visitantes devido à poluição.

A situação é preocupante, especialmente porque a poluição começa a se expandir também às áreas verdes. Pesquisadores americanos reveleram recentemente que o nível de ozônio detectado nos grandes parques americanos, como Yellowstone ou Yosemite é tão alto como nas maiores cidades dos Estados Unidos. Autoridades já começam a alertar que a poluição nesses espaços verdes protegidos pode causar danos à saúde de seus visitantes.
Por