MUNDO: Alemanha investiga fraudes em auxílio para negócios afetados pela pandemia

Parte do auxílio financeiro emergencial do governo alemão destinado a empresas e trabalhadores autônomos que sofreram os efeitos da pandemia de covid-19 no país foi parar na mão de fraudadores, segundo relatos divulgados nesta segunda-feira (06/07) pela imprensa alemã.

O numero de casos suspeitos, que resultaram na abertura de investigações, chega a 5.100. No final de maio, eram 2.200, segundo a agência de notícias alemã DPA. O valor do prejuízo é difícil de calcular, mas, segundo uma estimativa da DPA já teria alcançado 22 milhões de euros (132 milhões de reais).

No entanto, esse é apenas um levantamento parcial, já que alguns estados, como a Renânia do Norte-Vestfália – o mais populoso do país –, ainda não contabilizaram a quantidade de casos suspeitos.

Os fraudadores vêm utilizando táticas diferentes para obter o dinheiro. Um dos truques é o preenchimento de informações falsas nos cadastros oficiais ou até apresentar um pedido mais de uma vez. Em alguns casos, o dinheiro também foi entregue a empresas que já tinham deixado de atuar há muito tempo ou que sequer existiam.

Há também fraudes cometidas através da internet, que acabam desviando dinheiro de pedidos que seriam legítimos. Neste caso, vítimas acabaram fornecendo inadvertidamente dados pessoais para portais de internet falsos que copiam o layout das páginas oficiais para o fornecimento do auxílio. Depois, os fraudadores acabam realizando o pedido nos portais certos e ficando com o dinheiro. A fraude é conhecida como "phishing".

Segundo o jornal alemão Die Welt, havia pelo menos 18 sites falsos detectados em mais da metade dos 16 estados alemães operando até o final de maio. As autoridades trabalham detectar e bloquear esses portais.

Na Renânia do Norte-Vestfália, a concessão do auxílio chegou a ser suspensa em abril por uma semana, depois que mais de cem sites locais falsos foram descobertos. 

Alguns fraudadores foram pegos ao tentarem receber ilegalmente o dinheiro, em alguns casos, depois de as autoridades responsáveis pela aprovação dos pedidos detectarem inconsistências nas informações fornecidas ou após os bancos dos requerentes reportarem que essas pessoas não estavam aptas a receber o auxílio.

Alguns inclusive facilitaram o trabalho dos investigadores ao utilizarem suas identidades verdadeiras para tentar dar o golpe. Se condenados, os acusados de fraude podem receber sentenças que vão desde multas até dez anos de prisão, nos casos mais graves.

No início da pandemia, a Alemanha aprovou um pacote de ajuda de 600 bilhões de euros para resgatar empresas de grande porte que sofreram os efeitos da crise e liberou 500 bilhões para companhias de médio e pequeno porte, além de 50 bilhões para pequenos empresários e autônomos. Pela regras, pequenas e médias empresas têm acesso a crédito facilitado de até 500 mil euros.

Os estados são os responsáveis por elaboraram as estratégias para a distribuição do auxílio, sendo que alguns montaram esquemas para o fornecimento rápido do dinheiro. Em Berlim, o auxílio chegou a ser fornecido em prazos de 24 ou 48 horas.

RC/ots

Comentários