SARAMPO: Número de crianças não vacinadas tem maior salto em 20 anos

 


Embora os casos de sarampo notificados tenham caído em comparação aos anos anteriores, o progresso em direção à eliminação do sarampo continua a diminuir e o risco de surtos está aumentando, de acordo com um novo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) e Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Durante 2020, mais de 22 milhões de crianças perderam sua primeira dose da vacina contra o sarampo - 3 milhões a mais do que em 2019, marcando o maior aumento em duas décadas e criando condições perigosas para a ocorrência de surtos.

Em comparação com o ano anterior, os casos de sarampo notificados diminuíram em mais de 80% em 2020.

No entanto, a vigilância do sarampo também se deteriorou com o menor número de amostras enviadas para testes laboratoriais em mais de uma década. O fraco monitoramento, teste e notificação da doença colocam em risco a capacidade dos países de prevenir surtos. Os principais surtos de sarampo ocorreram em 26 países e representaram 84% de todos os casos notificados em 2020.

“Um grande número de crianças não vacinadas, surtos de sarampo e detecção e diagnóstico de doenças desviados para apoiar as respostas à COVID-19 são fatores que aumentam a probabilidade de mortes relacionadas ao sarampo e complicações graves em crianças”, afirmou o diretor de Imunização Global dos CDC, Kevin Cain.

“Devemos agir agora para fortalecer os sistemas de vigilância de doenças e eliminar as lacunas de imunidade, antes que as viagens e o comércio retornem aos níveis pré-pandêmicos, para prevenir surtos de sarampo mortais e mitigar o risco de outras doenças evitáveis por vacinas”, defendeu Cain.

Risco crescente - A capacidade dos países de garantir que as crianças recebam as duas doses recomendadas da vacina contra o sarampo é um indicador-chave do progresso global em direção à eliminação do sarampo e a capacidade de prevenir a propagação do vírus. A cobertura da primeira dose caiu em 2020 e apenas 70% das crianças receberam a segunda dose da vacina contra o sarampo, bem abaixo dos 95% de cobertura necessários para proteger as comunidades da propagação do vírus da doença.

Somando-se ao agravamento das lacunas de imunidade em todo o mundo, 24 campanhas de vacinação contra o sarampo em 23 países, originalmente planejadas para 2020, foram adiadas por causa da pandemia de COVID-19 - deixando mais de 93 milhões de pessoas em risco de contrair a doença. Essas campanhas suplementares são necessárias onde as pessoas perderam as vacinas contra o sarampo por meio de programas de imunização de rotina.

Um dos vírus mais contagiosos - A pandemia de COVID-19 causou interrupções significativas nos serviços de imunização e mudanças nos comportamentos de busca de saúde em muitas partes do mundo. Embora as medidas usadas para mitigar a COVID-19 – uso de máscaras, lavagem das mãos, distanciamento - também reduzam a propagação do vírus do sarampo, os países e parceiros globais de saúde devem priorizar a descoberta e vacinação de crianças contra o sarampo para reduzir o risco de surtos explosivos e mortes evitáveis pela doença.

O sarampo é um dos vírus humanos mais contagiosos do mundo, mas é quase totalmente evitável por meio da vacinação. Nos últimos 20 anos, estima-se que a vacina contra o sarampo evitou mais de 30 milhões de mortes em todo o mundo. As mortes estimadas por sarampo caíram de cerca de 1.070.000 em 2000 para 60.700 em 2020. O número estimado de casos de sarampo em 2020 foi de 7,5 milhões em todo o mundo. A transmissão do sarampo dentro das comunidades não é apenas um indicador claro da cobertura vacinal do sarampo deficiente, mas também um marcador conhecido, ou "marcador", de que os serviços de saúde essenciais não estão alcançando as populações de maior risco.

https://brasil.un.org/pt-br/
 

Comentários